Paleta mexicana na travessa

Moda ou costume?

De uma hora para outra as paletas tomaram conta do pedaço.  Uma loja aqui, outra lá, de repente não havia shopping ou rua movimentada sem que abrisse uma paleteria.  E a gente “se viu obrigado”a prová-las.  Sim, não se tratava de simples picolés.  As paletas eram diferentes, com os sabores das frutas perceptíveis pelo paladar.  E os recheios?  Ahhh, que delícia, cremosos, escorrendo…
Difícil saber se é uma moda que vai ficar para trás ou se elas vieram para ficar.  Afinal de contas, em um país de clima predominantemente tropical como o nosso, tudo que refresca é bem-vindo.  Creio que eu apostaria em que elas vão permanecer entre nós.

História da paleta mexicana

Dizem que as paletas são tão comuns no México quanto os nossos pasteis por aqui.  Isso dá uma dimensão de quão inseridas elas estão na cultura e gastronomia local.  Mas não se enganem pensando que por lá tem todo esse toque gourmet com que chegaram aqui.  Nada disso.
O mais tradicional é que sejam feitas artesanalmente e vendidas até em carrinhos na rua como acontece com os picolés aqui no Brasil.  Bem…nada disso eu vi, apenas li em consulta pela internet…
Parece que as paletas foram inventadas por dois homens na década de 1940, na cidade do México e, pelo sucesso que tiveram, eles ajudaram outras pessoas a iniciarem nessa atividade, a qual acabou popularizando-se.

Paleta na travessa

O nome paleta deriva de palito e se refere ao pedacinho de madeira (ou plástico) que é introduzido no creme e pelo qual os picolés são segurados, quando congelados.  Mas como a gula não tem limite, logo foi pensado fazer a paleta mexicana na travessa!  E, mesmo que não tenha palito nenhum, a gente mantém o nome.  Uma questão de referencial…
Vamos à receita?  É facílima.  Ainda mais se é outra pessoa que a prepara, como foi neste caso que minha filhota a fez e eu fiquei só bizoiando kkkk
Só tem que se organizar porque demora um pouco a ficar pronta, já que cada camada deve congelar antes de receber a próxima.
Ah…a gente esqueceu de fotografar as etapas, mas é tão simples que nem precisa.
Se você utilizar leite condensado sem glúten e margarina, no lugar de manteiga, terá uma sobremesa livre de glúten e de lactose.

Classificação da Receita

  • (0 /5)
  • (0 Classificação)

Instruções

Higienize os morangos e coloque-os na jarra do liquidificador juntamente com o açúcar e o suco dos limões.  Bata até virar um creme (ou suco, na verdade!!).
Despeje metade em uma travessa e leve ao congelador por pelo menos uma hora, até que endureça
Nesse tempo prepare o recheio.  Coloque o leite condensado e a manteiga em uma panela e cozinhe, em fogo baixo, mexendo sempre, por aproximadamente dez minutos para que fique com consistência de brigadeiro mole.  Despeje em um prato untado e espere esfriar completamente.
Quando o morango estiver congelado, retire do congelador ou freezer e cubra com o recheio, espalhando bem.  Leve de volta ao congelador até endurecer.  Depois cubra com o restante do suco de morango e deixe até esta última camada também congelar.
Sirva gelado.
Aaaaaai, que coisa boa demais!

Sobre o Chef

Diana Marília

Texto sobre quem escreve

Você também vai gostar de: