Homus ou pasta de grão de bico

A grande colônia


Moro em Foz do Iguaçu, cidade que congrega mais de cinquenta etnias, dizem os entendidos.  Entre estas uma se destaca: a colônia árabe.  Consta tratar-se da segunda maior do país, perdendo somente para a imensa São Paulo.  Aqui as roupas típicas das mulheres, cobrindo seus cabelos, e seus corpos até o chão, fazem parte do cotidiano da cidade.  Somente os desavisados que aqui desembarcam são surpreendidos pela grande quantidade de adultos e crianças dessa etnia residindo aqui. E, assim como temos uma bela mesquita, colégio árabe,  e diversos comércios que lhes pertencem, a culinária típica também foi amplamente incorporada à nossa rotina alimentar.

A deliciosa culinária árabe

Na minha família adoramos seus pratos típicos e, além de saboreá-los em restaurantes, eventualmente, muitas vezes nos aventuramos na cozinha.
Inicialmente eu somente preparava o quibe e o tabule.  Os demais componentes do cardápio, para um almoço, por exemplo, os comprávamos prontos.  Mas, aos poucos, fui expandindo minha prática e incorporando mais e mais pratos feitos por mim, errando e acertando.
Uma das primeiras receitas que aprendi foi esta, o homus ou pasta de grão de bico.  O mais legal é que foi uma amiga, a Samia El Ghandour (não, ela não é alemã nem italiana…rsrsrs) quem me cedeu esta receita, assim como outras de pratos típicos, conforme sua mãe os prepara.  Nada melhor do que beber da fonte, né?

Tahine para alcançar o verdadeiro sabor

Antes de planejar qualquer refeição incluindo o homus ou pasta de grão de bico, ou o babaghanoush, a pasta de berinjela, você deve providenciar um ingrediente que é essencial para alcançar o sabor típico, autêntico, e que é o Tahine.  Feito à base de sementes de gergelim, é uma pasta rica em nutrientes e muito versátil, que pode ser usada tanto para pratos salgados quanto doces. 
Atualmente um pote com 250 g custa ao redor de R$20,00.  Mas rende bastante!!
Pela internet você encontra, também, diversas postagens ensinando como fazê-lo em casa.  Eu nunca fiz, por isso, me abstenho de propor isso… (se você o preparar, promete que volta aqui e me conta se deu certo?).

Se você comprar o Tahine em lata, depois de abri-la deve ter o cuidado de passar o que sobrar para um pote plástico.  Não precisa manter na geladeira, desde que bem fechado. E dura meses!
Ah, o homus dura uma semana na geladeira.

Classificação da Receita

  • (0 /5)
  • (0 Classificação)

Instruções

De preferência, deixe o grão-de-bico de molho em água na véspera (por umas 8 horas), para cozinhar na panela de pressão em meia hora.  Caso contrário, vai precisar de um pouco mais de tempo para que fique bem macio, quase desmanchando.
Reserve alguns grãozinhos para decorar e a água de cozimento para auxiliar no preparo da pasta.
Uma vez morno, coloque porções aproximadas de umas duas conchas no liquidificador, mais um pouco da água de cozimento (no máximo uma concha) e bata.  Na primeira vez coloque junto o alho e o suco do limão (ou ½ se for grande e suculento).  Passe para uma tigela e continue batendo os grãos no liquidificador com um pouco da água da panela até terminar.  Tempere com sal, misture o Tahine e bata até ficar homogêneo.  Se preferir coloque o Tahine também no liquidificador, para facilitar o ato de incorporá-lo ao creme de grão de bico.
Passe para a tigela onde irá servir, faça uns círculos mais fundos com o dorso de uma colher, esprema por cima um pouco de suco de limão e regue generosamente com azeite.  Enfeite com os grãos reservados e/ou folhas de hortelã ou salsinha.  Leve para a geladeira por um par de horas para servir bem frio.
Delicioso!
Para acompanhar, de preferência sirva-o com o pão árabe, ou pão pita.

Sobre o Chef

Diana Marília

Texto sobre quem escreve

Você também vai gostar de: